• Maria Luiza Valeriano

Yanomami usam de práticas ancestrais no combate ao Covid-19

Artigo publicado por dois pesquisadores aponta como o grupo indígena está enfrentando os desafios da pandemia e o isolamento social


Em artigo publicado na revista Cadernos de Campos, Thiago Magri Benucci, da Universidade de São Paulo, e Daniel Stiphan Jabra, da Universidade Federal de São Carlos, registraram estudo que mostra as estratégias dos Yanomamis nesse período de pandemia.


Para esse povo, seguir o fluxo da vida é prática comum. Sendo assim, não estão sofrendo com as mudanças de hábitos como os moradores das metrópoles. Os Yanomamis do rio Marauiá, no Amazonas, decidiram seguir práticas ancestrais e recolheram a comunidade para o mato.


Esse movimento de retorno é a primeira em 19 anos, quando o povo se encontrou enfrentando dificuldades de sobrevivência. A prática é uma resposta ao costume antigo da contaminação de povos nativos com doenças advindas dos povos brancos.


Para evitar contágio por conta dos agentes da saúde, assim como interferência do Estado, os Yanomamis pedem que pessoas de fora da aldeia se retirem. Além disso, levaram medicamentos, microscópios - operados por microscopistas Yanomami - e rádio.


Segundo os pesquisadores, o movimento de voltar para o mato é

procedimento de inversão da política de atração e sedentarização, promovida direta ou indiretamente pelo Estado e seus agentes, é dizer não ao que não traz segurança. Sair de wayumɨ, das aldeias, e ir rumo ao mato, nesse contexto, mais do que uma inversão histórica, mostra-se uma técnica política de resistência.
Receba nossas atualizações