• Rachel Hauser Davis

Você sabia que cação é carne de tubarão e raia e que não deve ser consumida?

Os peixes são uma das fontes mais importantes de proteína animal, atingindo em torno de 17% da proteína consumida globalmente, e ultrapassando os 50% em muitos países menos desenvolvidos. Os elasmobrânquios, o grupo dos tubarões e raias, particularmente, são a principal fonte de proteína para milhões de seres humanos em comunidades costeiras ao redor do mundo, principalmente por serem vendidos com baixo valor de mercado.


Muitas espécies de tubarões e raias são pescadas em altos números, inclusive recém-nascidos e juvenis, levando a efeitos ecológicos de diminuição das populações. Infelizmente, em torno de 25% de todos os elasmobrânquios estão ameaçados de extinção. No Brasil, este número é ainda maior, de 33 %! Estes animais realizam funções ecossistêmicas extremamente importantes, e seu desaparecimento pode levar a diversos desequilíbrios ambientais, como o aumento das populações de suas presas e diminuição da biodiversidade, afetando os estoques pesqueiros e, por fim, atividades sócio-econômicas.


No Brasil, a carne tubarões e raias é comercializada sob o nome genérico de “cação” e, por não conter espinhas, é legalmente comercializada como merenda escolar em escolas públicas de alguns estados, como o Rio de Janeiro. São vendidas e consumidas, inclusive, muitas espécies criticamente ameaçadas de extinção, como tubarões-martelo, cações-anjo e raias-viola.


Nas últimas décadas, porém, o aumento das populações humanas nas áreas costeiras tem levando ao aumento significativo de atividades humanas nestas áreas, incluindo o despejo de esgotos industriais e domésticos sem tratamento nos ecossistemas aquáticos e a exploração de petróleo e gás, dentre muitos outros. Isso, por sua vez, tem aumentado imensamente a contaminação química de ecossistemas costeiros. Como muitos tubarões e raias apresentam hábitos costeiros durante pelo menos um de seus estágios de vida, a contaminação química destes animais por diversos poluentes, como metais, agrotóxicos e contaminantes emergentes, é agravada, tornando-se um importante problema de saúde pública.


Alguns contaminantes, como os metais, podem sofrer processos de biomagnificação ao longo da cadeia alimentar, acumulando em quantidades altas em animais predadores, como os tubarões e raias, que então chegam altamente contaminados à mesa do consumidor. Diversos estudos recentes, por exemplo, indicam altos níveis de diversos metais tóxicos, como o mercúrio e o arsênio, em espécies de tubarões e raias altamente consumidas no Brasil, como o cação-frango (Rhizoprionodon lalandii) e a raia-chita (Atlantoraja castelnaui). A ingestão destes metais pode levar a efeitos carcinogênicos e a danos no sistema nervoso, principalmente em populações vulneráveis, como crianças em desenvolvimento. Infelizmente, a maioria dos consumidores, em torno de 70 %, não sabe que o filé de cação é, na verdade, carne de tubarão e raia! Com isso, a população acaba por comprar e ingerir peixes altamente contaminados sem saber.


Assim, deixando de consumir carne de cação, você estará, além de se proteger de altos níveis de contaminantes tóxicos, ajudando a conservar estes animais tão importantes para o nosso meio ambiente. Faça a sua parte, ajude na conservação de tubarões e raias, e compartilhe estas informações!



Rachel Ann Hauser-Davis

Bióloga, Mestre e Doutora em Química Analítica

Pesquisadora

Fiocruz

Posts recentes

Ver tudo