• Júlia Reis

Notas sobre os efeitos subjetivos da pandemia da covid-19

Esse é o assunto do momento: os efeitos da pandemia da covid-19 para os sujeitos. É importante destacar que os efeitos são singulares, são diferentes de acordo com a história e o contexto de vida de cada sujeito. Para além dos efeitos e impactos econômicos e sociais da pandemia para cada um destacamos aqui os efeitos de subjetividade. O confinamento, o medo da contaminação, o acúmulo de tarefas para aqueles que além do trabalho tem que cuidar dos filhos, que estão em casa faz com que alguns reajam com certa anestesia, ou mesmo negação da pandemia, e outros com medo excessivo e paralisante, o que reforça estruturas neuróticos obsessivas.

Contudo, o que observo, em sua maioria, no consultório particular, nos atendimentos on-line, têm sido os efeitos subjetivos depressivos.

Como assinala Laurent (1995), no livro “Versões da clínica psicanalítica”, a depressão é um tema atual na clínica sobre o qual a psicanálise propõe uma direção de tratamento pautada em uma metodologia (psicanalítica) e em um diagnóstico diferencial estrutural. Desse modo, a psicanálise se diferencia da psiquiatria de orientação biológica, que através dos seus Manuais Diagnósticos e Estatísticos de Transtornos Mentais (DSM) desconsidera a singularidade e classifica os sujeitos em transtornos, propondo um tratamento, na maioria das vezes, exclusivamente medicamentoso. Os medicamentos se colocam como um objeto privilegiado de gozo oferecido pela indústria farmacêutica, sustentada pelo discurso da ciência, e como uma promessa de felicidade.

Entretanto, sabemos que a medicação por si só não permite com que os sujeitos façam seu processo de luto diante de situações de perda, e nem dão conta, em sua totalidade, da angústia que assola os sujeitos. Vemos o quanto o recurso à substância lícita (álcool e medicamentos) e ilícita pode se colocar como uma solução que visa afastar o sujeito de lidar com os impasses da castração, mas que tem como efeito o apagamento do desejo.

O tratamento psicanalítico oferece, assim, uma possibilidade de elaboração do luto, de elaboração simbólica da perda para esses sujeitos e no campo teórico traz a possibilidade de que possamos refletir sobre os impactos subjetivos da pandemia para cada sujeito ao dar valor e lugar para uma fala sobre o sofrimento e não a negação dos mesmos.

Posts recentes

Ver tudo

18/06: Dia do Químico

No dia 18 de junho comemora-se o Dia do Químico, profissionais indispensáveis para o desenvolvimento da ciência e das tecnologias da nossa sociedade. Mas, por qual razão o dia 18 de junho é considerad